Por Andressa Carrasqueira >>

Trabalho num site de compras coletivas, o Peixe Urbano, e tenho contato direto, muito direto, tanto com os parceiros que fecham ofertas quanto com o que vai ao ar. Pensei em contar para vocês um pouco de como funciona a empresa, quais sãos as vantagens do negócio, cases de sucesso… Mas realmente, para saber disso basta entrar no peixeurbano.com ou dar um Google. Vamos falar aqui hoje de um guia rápido, daquilo que ninguém coloca na Internet porque quer te cobrar horas de consultoria por isso. Sorry guys, o conhecimento hoje é de todos. Para ser bem prática, vou organizar em tópicos como a coisa funciona, ou deveria funcionar. Dessa forma, será possível para você avaliar se sua empresa deve, ou não, entrar nessa onda, e, principalmente, como.

1 – Antes de tudo, identifique seu problema de Marketing. “Ah, mas eu sou dono de uma pequena clínica de estética/restaurante/pet shop/qualquer coisa, não conheço nada de Marketing”. Seus problemas acabaram! Você pode não conhecer Kotler, Porter, Anderson, mas você conhece o seu negócio. Você pode, por exemplo, simplesmente ter capacidade para atender mais clientes; ou você pode precisar de divulgação para a sua marca; ou responder a um movimento de um concorrente.

2 – Identificado seu problema, faça as contas. Quanto você pode investir para tratar este problema? Quais os canais que você conhece? Quanto eles cobram? Qual o retorno prometido? Aqui podemos incluir as compras coletivas, uma ferramenta de Marketing, e vamos explicar um pouco a dinâmica: os sites cobram uma comissão sobre o valor da oferta. Por exemplo: se seu restaurante fecha uma oferta de Rodízio de Japonês (hum!), de R$70 por R$35, sobre estes R$35 ainda incidirá a comissão do site, que geralmente varia de 10% a 50%, de acordo com o que a empresa pode lhe oferecer. Caro né? Errado! Muito barato! Vamos colocar na ponta do lápis: simplificando, se sua empresa é saudável, hoje você paga seus custos fixos (contas, aluguel, mão-de-obra etc.) e variáveis (matéria-prima principalmente), e ainda tem lucro. Com o seu custo fixo já pago, o que vier de novos clientes aumentará apenas o seu custo variável. Sendo assim, quando você faz uma oferta de Rodízio de Japonês, e recebe R$17,50 por cupom vendido (R$35 menos 50% de comissão), se este valor estiver pagando o peixe que será consumido, o resto já é pago pela sua clientela regular. Ou seja, você não teve prejuízo, trouxe novos clientes para o seu estabelecimento, sabe exatamente quem eles são (coisa que anúncio nenhum em mídia tradicional vai lhe dar), e tem a oportunidade de fidelizar uma nova clientela. Só a título de comparação, um anuncio de 1/3 de página na Veja custa R$124.500,00, e você não sabe quem leu.

3 – Depois de fazer as contas, pesquise aonde é melhor anunciar. Existem milhares de sites, para os mais diversos perfis de negócio. Sites maiores darão maior visibilidade para a oferta, pois seus mailings são maiores, seus processos mais bem estruturados e estão inseridos em outros canais, principalmente nas mídias sociais. Mas também cobrarão mais caro. Sites menores tem menos visibilidade, mas são mais baratos. O mercado de compras coletivas é tão amplo que é possível adequar as suas necessidades exatamente ao público que pretende-se atingir. Vemos sites só de restaurantes, de estética, de hotel, de casamento, sites que cobram 10% e vendem 50 cupons, e sites que cobram 50% e vendem 1000. É muito importante adequar a sua capacidade de atendimento ao preço que se quer pagar e à visibilidade que se gostaria de ter. Outros fatores fundamentais na avaliação são: Atendimento, tanto ao usuário (possíveis reclamações), quanto à você (principalmente pagamento) e informações sobre a oferta na página, como texto, arte e e-mail marketing.

Confira, amanhã, a parte 2 desse post!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Camila Mose

    Boa Dessa! 

    Meu palpite agora é que a onda caminhará para a diferenciação de públicos. O Peixe Urbano não teria capacidade para ofertar mais por um período maior (mais de 1 dia) como outros estão fazendo? 
    Segmentar me parece pelo menos uma onda que não vai morrer na praia!
    Vide um site que se agarrou no crescimento dos sites de compra coletiva para divulgar num só espaço todas as promoções atuais, disponibilizando segmentadamente produtos/ viagens/ cursos/ serviços.Aproveitando o assunto, identifiquei um GAP nos sites de compra coletiva que está fazendo muitas pessoas ficarem “revoltadas”, é a falta do próprio site avisar quando o cupom está para expirar (eu mesma ja perdi uma promoção por isso, é revoltante! pagar antecipado e perder por não lembrar). 
    Sim, eu sei que o peixe urbano já fez isso, mas só recebi uma vez o aviso, tanto que tenho um cupom que expira amanhã mas que não fui “avisada” eu precisei anotar para acompanhar e já vou usar hoje! Bom, pelo menos para mim não apareceu mais o aviso, e é um serviço agregado muito útil! 

    Um grande beijo, amiga!!!

    OBS: Me indica para fazer parte da realeza do cardume urbano?

    • Andressa Carrasqueira

      Manda teu currículo! Bjs

  • Andressa,

    Acho que tu abordaste um ponto muito importante: a capacidade de atender a demanda que as promoções nos sites de compras coletivas geram. Digo isso, pois eu mesma comprei um serviço através do Peixe Urbano e, quando fui usufruir, simplesmente não consegui. E o pior de tudo é que agendei para utilizar o serviço, mas quando cheguei na empresa não havia ninguém para me atender. Fiz a reclamação para o Peixe Urbano e, principalmente, para o profissional que deveria ter prestado o serviço, que alegou estar sobrecarregado com a quantidade de demandas que a promoção gerou.

    Acho os sites de compras coletivas uma ideia genial para atrair clientes. Se bem planejada pelo empresário, a promoção abre a possibilidade de fidelizar muita gente. Mas, como tu disse, é preciso atender bem as pessoas, se não, é como um “tiro no pé”: ao invés de melhorar a imagem, ela só piora.

    Bjs!

  • Andressa,

    Acho que tu abordaste um ponto muito importante: a capacidade de atender a demanda que as promoções nos sites de compras coletivas geram. Digo isso, pois eu mesma comprei um serviço através do Peixe Urbano e, quando fui usufruir, simplesmente não consegui. E o pior de tudo é que agendei para utilizar o serviço, mas quando cheguei na empresa não havia ninguém para me atender. Fiz a reclamação para o Peixe Urbano e, principalmente, para o profissional que deveria ter prestado o serviço, que alegou estar sobrecarregado com a quantidade de demandas que a promoção gerou.

    Acho os sites de compras coletivas uma ideia genial para atrair clientes. Se bem planejada pelo empresário, a promoção abre a possibilidade de fidelizar muita gente. Mas, como tu disse, é preciso atender bem as pessoas, se não, é como um “tiro no pé”: ao invés de melhorar a imagem, ela só piora.

    Bjs!

  • Andressa Carrasqueira

    Meninas, o mercado de compras coletivas ainda tem muito o que evoluir, novas regulamentações estão surgindo, assim como associações de empresários e consumidores. Problemas podem acontecer pelo volume de parceiros e ofertas, e é por isso que lá no Peixe Urbano temos uma área enooorme de atendimento ao cardume (fofo isso), que tem como meta resolver 100% dos casos, inclusive monitorando as mídias sociais. E Camilinha, até deixamos as ofertas mais tempo, mas isso não é muito bom pro parceiro não. Mais que 72h a oferta para de vender, e a marca fica exposta em promoção, perdendo o imediatismo da ação. Sobre o e-mail de lembrete, anotado!
    Bjokas e saudadeeee

  • Pingback: Compras Coletivas: como, quando e por que entrar nessa onda (parte 2) : Comunicação e Tendências()

  • RAQUEL_REYS

    SOMOS UMA OPERADORA DE DESTINOS INTERNACIONAIS E EXOTICOS E GOSTARIAMOS DE SER PARCEIROS DO PEIXE URBANO VIAGENS … COMO PODEMOS FAZER CONTATO ?