Por Daniela Seibt >>

As áreas de treinamento e desenvolvimento vêm ganhando cada vez mais espaço nas organizações e sua relevância para a gestão de pessoas aumenta em mesmo grau. Com isso, programas de educação corporativa com foco estratégico evidenciam-se como um dos pilares para a gestão empresarial bem sucedida. No Brasil, um estudo inédito realizado pela Deloitte (2016), com 126 empresas aponta que 28% delas já possuem universidade corporativa e dos 72% que ainda não possuem, mais de um quarto delas demonstra interesse em criar a estrutura.

Universidades corporativas se tornaram ferramentas importantes no desenvolvimento e na formação permanente das pessoas em seu ambiente profissional, principalmente porque a educação se apresenta como condição de competitividade às empresas. Nesse sentido, um bom projeto aliado a uma política de comunicação eficiente, influencia de maneira positiva a imagem interna e externa da organização, além de contribuir para o processo de humanização de suas ações.

Muitas são as razões que motivam as empresas a investir numa universidade corporativa, mas para que o projeto tenha sucesso é fundamental que se crie, segundo a professora Marisa Eboli (2012), “um ambiente e uma cultura empresarial cujos princípios e valores disseminados sejam propícios a processos de aprendizagem ativa e contínua, que favoreça a formação e atuação de lideranças exemplares e educadoras que estimulem nas pessoas a postura do autodesenvolvimento”. Tudo isso porque a mentalidade da aprendizagem organizacional se alinha em três níveis: empresa, líderes e pessoas.

Nesse processo, adotar uma política de comunicação interna transparente e dialógica, facilita a interação entre os indivíduos, orienta a identificação de potencial nos funcionários, incentivando-os a buscar cada vez mais inovação e novos conteúdos, e auxilia na articulação coerente entre as competências individuais e organizacionais, objetivo crucial da educação corporativa. Também faz parte desse universo compreender que a empresa não é a única detentora do conhecimento e que ouvir as pessoas melhora o fluxo da tomada de decisões, tornando mais rápida a resolução das tarefas e melhorando o ambiente de trabalho.

Além disso, a educação corporativa proporciona outros benefícios, entre eles a motivação, o engajamento e a retenção de talentos, o aumento da produtividade e o incentivo à inovação. Vale lembrar que não existe um padrão de projeto e que eles variam de acordo com os objetivos e a cultura da empresa. Certo mesmo é que, ao decidir implantar um sistema de educação corporativa, a organização assume um compromisso com a sua comunidade interna e o ambiente precisa estar formatado para favorecer a aprendizagem. As experiências mostram que, tão importante quanto se posicionar bem no mercado, é investir e implantar estratégias adequadas à sustentabilidade do negócio.

 

Referências:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...